Retrospectiva de 2018

Ano acabando e então é hora da rever o que li, assisti e joguei. Eu cheguei a comentar alguns dos livros e quadrinhos logo no início de 2018, mas não foi possível continuar no mesmo formato. Agora, farei uma versão minimalista do que se destacou entre as 42 publicações lidas:

Resultado de imagem para valfrido? lote 42

Mistura interessante de ficção e não ficção em um formato diferente.

Resultado de imagem para hex thomas

Um bom livro de terror, ainda que o final deixe a desejar.

Resultado de imagem para devorados draco

Arte e roteiro combinam bem nessa HQ, mesmo com infodumping na história.

Resultado de imagem para noite escura rodrigo tavares

Uma boa novella de faroeste no sul do Brasil.

Resultado de imagem para i am legend richard matheson

Um clássico que mistura ficção científica com vampiros.

Resultado de imagem para horrostor grady hendrix

Este livro só é legal em formato físico: imita o catálogo de uma loja de móveis e utensílios domésticos assombrada por fantasmas . Boa história e personagens interessantes.

Resultado de imagem para eric novello ninguem nasce heroi

Uma trama tecida com sensibilidade em um momento tão importante no país.

***

Seguindo a tendência do ano anterior, não só comprei menos games como também joguei menos e não cheguei ao final de qualquer um. Por outro lado, joguei muito mais RPG de mesa, uma paixão que redescobri. Entre tantas opções que estou conhecendo, o que destaco são:

Resultado de imagem para broken earth rpg savage worlds

Savage Worlds (lançado aqui no Brasil pela Retropunk) é atualmente um dos meus sistemas genéricos favoritos, enquanto o suplemento Broken Earth se tornou meu cenário preferido, com sua ambientação pós-apocalíptica.

Resultado de imagem para supers red edition rpg

Existem várias opções para jogar RPG com super-heróis (entre sistemas específicos e genéricos como Mutantes & Malfeitores, Icons, GURPS e Savage Worlds), mas a maioria abusa e complica as regras de superpoderes. Até o momento, Supers! Revised Edition não mostrou ter esse problema na campanha que estou narrando.

***

Também assisti a poucos seriados, assim como aconteceu no último ano, e não alcancei o final de qualquer temporada, apesar de ter muita coisa boa por aí (meu problema é que não tenho mais paciência para temporadas longas).

***

Não fui tanto no cinema quanto gostaria, mas os filmes que se destacaram foram:

Resultado de imagem para avengers infinity war

O filme que muda a história do Universo Marvel até agora, preparando para o grand finale do próximo ano.

Resultado de imagem para ant man wasp

Um bom filme que mantém o mesmo clima animado da película de 2015.

Resultado de imagem para mission impossible fallout poster

Sem dúvida, um dos melhores filmes de ação dos últimos tempos!

***

Um Feliz e Próspero 2019 para todos 🙂

 

Férias

Dezembro é o mês da retrospectiva do ano, de lembrar os fatos importantes, de comentar os livros mais interessantes no blog. É o que deveria ter feito há três semanas.

Meu cérebro, porém, tinha outros planos para a manhã do dia 10.

Acordei naquela quarta com uma excruciante dor de cabeça, do tipo que nunca senti antes: era uma pressão forte e contínua por todo o crânio e que parecia esmagar meu cérebro. Raramente tenho cefaleia e quando vomitei o pouco que tentei comer no café da manhã, vi que teria que ir ao pronto-socorro. Lá, tomei soro e remédios contra dor e náuseas. Após me examinar, o médico plantonista considerou que eu poderia estar com enxaqueca e, caso a dor persistisse, procurasse por um especialista. Se fosse verdade, aquele seria meu primeiro episódio da doença na vida; por um instante, pensei se não se tratava de uma das viroses fortes que pego às vezes – até lembrei que não havia gripado ou me resfriado em 2014.

A dor continuou. Não consegui marcar com o neurologista, mas consegui uma consulta com o clínico geral no dia seguinte. Ele me examinou e passou vários exames, incluindo uma tomografia. Pediu que eu ficasse alerta se vomitasse em jatos ou minha nuca enrijecesse, sinais de uma meningite.

Enxaqueca e agora meningite. De repente, minha hipótese de virose forte parecia atraente.

Realizei os exames. Os dias passavam enquanto eu esperava os resultados. A cabeça continuava a doer e o Tylex receitado pelo clínico pouco acalmava a dor. Minhas tentativas de dormir acabavam em pesadelos sempre envolvendo sofrimento. Não tinha vontade fazer qualquer coisa – só queria que a dor sumisse.

Os resultados dos exames de sangue começaram a aparecer: nada de anormal.

E aí saiu o da tomografia, mostrando um hemorragia meníngea.

Voltei correndo ao PS. Do leito na sala de observação, escutei o neurocirurgião e o neurologista discutindo meu caso. Conclusão que chegaram: eu havia sofrido uma trombose cerebral.

Como assim?! Eu não fumo e nem bebo. Pratico exercícios físicos regularmente. Consumo alimentos saudáveis (meu exame de colesterol feito no mês passado era prova disso). Não tenho pressão alta. Como é que pode?

O neurologista não sabia. Por isto, eu teria que ficar internado na UTI e me preparar para realizar mais exames.

E então vesti uma camisola hospitalar e me ligaram a tubos e fios e um monitor que tirava minha pressão arterial de hora em hora. Perdi as contas de quantas vezes coletaram meu sangue. Ansiedade e medo não me deixaram dormir naquela primeira noite. Fiz a angiografia cerebral no dia seguinte, um exame em que se usa contraste a base de iodo (toda vez que este era acionado, parecia que o sol nascia dentro da minha cabeça). O resultado confirmou a trombose de seio sagital superior e seio transverso esquerdo.

Comecei o tratamento no mesmo dia. Da UTI, passei para um quarto e acabei recebendo alta antes do previsto, conseguindo passar o Natal com minha família.

Estou bem e sem sequelas. Vou precisar tomar  a medicação por um período mínimo de seis meses; enquanto isto, espero o resultado dos outros exames feitos para detectar a causa da trombose.

O tempo passa bem devagar numa UTI. Não se tem muito o que fazer, exceto ficar de olho no relógio esperando pelo próximo horário de visitas, e a programação da TV aberta (ainda mais a do final de ano, com direito ao “Um Conto de Natal” em versão CGI às 2 da manhã) não ajuda em nada. Com fios e tubos ligados ao corpo, é quase impossível achar uma posição confortável para se dormir – e com o movimento menor de pessoas pela noite, aumentava a cacofonia dos bipes e avisos sonoros soando do meu monitor e de outros quartos, como se eu presenciasse uma discussão de vários robôs do tipo R2-D2, todos bêbados e querendo fazer seu ponto de vista prevalecer.

É tempo bastante para fazer uma retrospectiva não só do ano, mas da vida inteira. Pensar no que se fez e no que se deixou de fazer. No que aconteceu e no que poderia ter acontecido. Chegar a várias conclusões, algumas óbvias mas que a gente nunca lembra (a vida é muito, muito curta) e outras nem tanto (não fico bem de camisola hospitalar). Depois deste grande susto, minha vontade agora é de fazer várias coisas ao mesmo tempo – ler, escrever, falar com os amigos, voltar a me exercitar, jogar, organizar meus livros -, mas sinto que meu corpo e mente ainda precisam de descanso.

O que significa que vou ficar mais um tempinho afastado. Então aproveito para agradecer ao Dr. Paulo, Dr. Walter e Dra. Manoela, e aos enfermeiros e técnicos de enfermagem Daniela, Jorge, Gi, Fernanda, Josi, Angélica, Rafael, Zildete, Paulo, Érica, Assis e Daniele. Assim como aos parentes e amigos que torceram e rezaram pela minha recuperação; foi muito importante mesmo contar com o apoio de vocês nos momentos de apreensão.

Fico por aqui desejando um Feliz Ano Novo, com muita paz, prosperidade e – principalmente – saúde!

🙂