Sagas Volume 1 – Espada e Magia

Quem gosta de histórias de Espada e Feitiçaria – o subgênero da Fantasia que se tornou popular a partir dos pulps dos anos 30 – sabe que ação e aventura são elementos fundamentais numa boa trama do tipo. Neste ponto, Sagas Volume 1 – Espada e Magia (Argonautas) não decepciona o leitor.

Lançada no final do ano passado, a antologia reúne quatro noveletas. Cesar Alcázar abre o volume com Lágrimas do Anjo da Morte, uma  história que se passa na Irlanda medieval que, apesar da presença do cristianismo, ainda tem influência da mitologia celta. O personagem principal é Anrath, mercenário perturbado pelo seu passado de lutas e que tem a vida salva por uma banshee, criatura do folclore irlandês, após ser traído pelo seu empregador. Além da instigante ambientação, outro ponto forte do conto é a narrativa movimentada.

A Cidadela de Elan conta a aventura de Kira, uma princesa guerreira que deve cumprir uma missão especial em uma cidade dominada por ladrões. A prosa rica em símiles de Georgette Silen (Lazarus) conduz muito bem a trama, com as cenas intensas de luta garantindo ótima leitura nessa história de segredo e intriga, tornando-a um dos destaques da antologia.

Outro destaque é A Dama da Casa de Wassir, de Rober Pinheiro. Ambientado no mesmo universo do livro Lordes de Thargor, a história traz o príncipe Atha’ny que, forçado a se casar para selar uma aliança entre dois clãs, deve agora resgatar um poderoso artefato místico. Apesar da estranheza inicial provocada pelo excesso de palavras da língua do universo de Thargor, o conto é bem desenvolvido e deixa um gancho ao final, despertando a vontade de conhecer novas aventuras naquele mundo.

Sem Lembranças daquele Inverno encerra o livro. Escrito por Duda Falcão, o conto mostra um mago contratando os serviços do cínico mercenário Atreil para recuperar uma joia mágica, roubada por uma feiticeira. É um conto ágil, mas que funcionaria melhor se certas cenas tivessem sido mostradas – fosse por pensamentos, sentidos e emoções dos personagens -, e não meramente narradas, o que acabou por enfraquecer a trama.

Vale destacar também o prefácio de Roberto de Sousa Causo, mostrando a origem  do gênero, além da belíssima capa de Nate Milliner e o caprichado projeto gráfico de Roberta Scheffer.

Sagas Volume 1 – Espada e Magia mostra que a Argonautas começou com o pé direito no mundo literário. A editora lançará em breve um volume dedicado ao Weird West, chamado apropriadamente de Estranho Oeste, e um outro com o tema Bruxaria.

Anúncios

3 opiniões sobre “Sagas Volume 1 – Espada e Magia

  1. Olá, Marcelo! Valeu pelos comentários, em especial, ao meu conto. Críticas sinceras contribuem para o aperfeiçoamento das próximas narrativas. Um grande abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s