Livros de 2010 – 2ª parte

Nesta segunda e última parte, comentários de mais três livros:

Secret Story, de Ramsey Campbell

Dudley Smith é um funcionário público medíocre que fica famoso quando um dos seus contos de assassino serial é descoberto por uma revista. O problema de Dudley é que todas as suas tramas são baseadas nos crimes que ele mesmo cometeu – e quando ele precisa de novas histórias, alguém vai ter que morrer.

Campbell é considerado a versão britânica de Stephen King , escrevendo não só horror sobrenatural, mas também ótimos suspenses, tendo como cenário a sua Liverpool natal,  caso deste livro com tons de humor negro: ele alfineta desde as indústrias literária e  cinematográfica (o conto de Dudley vai virar filme) até a busca pela fama, passando por tópicos diversos como “feminismo” radical. Dudley é um personagem patético, mas perigoso, e é aí que reside  o interesse nele, ainda mais quando sua vida se complica ao ser confrontado pela pergunta que todo escritor já ouviu: de onde você tira suas ideias?

É realmente uma pena que o talentoso Ramsey Campbell, um veterano premiado há décadas, seja ainda desconhecido no Brasil (se algo dele já foi publicado por aqui e não fiquei sabendo, me avisem, por favor).

Guerra Justa, de Carlos Orsi

Em um futuro não muito distante, após Meca, Roma e Jerusálem serem destruídas por uma catástrofe natural, uma nova religião surge, liderada por um homem capaz de prever novas tragédias. Mas existe algo de errado nesse culto – e cabe à uma cientista descobrir a verdade por trás das profecias tão certeiras.

Um dos mais talentosos escritores de ficção científica do Brasil, Carlos Orsi tece uma história empolgante, em ritmo de thriller, ao mostrar um culto religioso que usa a tecnologia para controlar seus fiéis e manipular o futuro. Se por um lado o cenário e o tema são atraentes, o mesmo não se pode dizer da personagem principal – a cientista Rafaela está longe de despertar algum tipo de empatia; na realidade, não existe exatamente um protagonista na história, fazendo que certos coadjuvantes – como o caso de Donato, o conspirador que  usa da aleatoriedade para driblar o culto que tudo sabe – sejam mais interessantes.

Vendido no lançamento como romance cyberpunk, o livro pode decepcionar os fãs deste gênero, já que existe pouco do cyberpunk clássico nele.  Rótulos à parte, é uma ficção científica  de ótima qualidade.

Johannes Cabal The Necromancer, de Jonanthan L. Howard

Johannes Cabal é um necromante que decide recuperar a sua alma, vendida anos antes a Satã. Para tanto, ele faz uma aposta com o manda-chuva do Inferno, mesmo sabendo que este sempre joga sujo: conseguir cem almas novas ou a danação eterna.

Cabal é um dos personagens mais esnobes, amorais e irritantes da literatura da fantasia e, por isso mesmo, interessante. O enredo cômico criado pelo britânico Howard – veterano roteirista de games – é às vezes prejudicado pelas suas tentativas de forçar um riso no leitor – nesses momentos, ele parece uma cópia de segunda de Terry Pratchett (Discworld) e Douglas Adams (O Guia Mochileiro das Galáxias), principalmente com piadas sobre contadores ou o clima, tão tipicamente inglesas – e o ritmo desacelera no meio do livro,  mas felizmente o autor retoma as rédeas faltando cem páginas ao final. Por um lado, irrita que o leitor só saiba o motivo de Cabal recuperar a alma apenas na última página da trama.

***

E só para reforçar:  ainda tivemos por aqui resenhas de Audrey’s Door, de Sarah Langan, e dos contos de Imaginários – volumes 1 e 2, organizados por Tibor Moricz, Eric Novello e Saint-Clair Stockler.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s